DIAGNÓSTICO E EXAMES

O diagnóstico de glaucoma pode ser feito através de exame oftalmológico completo, realizado no consultório médico, o qual inclui teste de acuidade visual, biomicroscopia ocular, tonometria (medida de pressão ocular), exame de fundo de olho (em especial para avaliação do nervo óptico) e exame de gonioscopia (avaliação do ângulo da câmara anterior, que é a região de drenagem do olho), entre outros.

Entre os exames complementares, destacam-se:

CAMPIMETRIA COMPUTADORIZADA

A campimetria computadorizada é o exame que avalia a função visual em suas regiões central e periférica. Através de estímulos luminosos, identifica alterações visuais ou perda de visão. Utilizado para auxiliar no diagnóstico e acompanhamento da evolução do glaucoma, assim como em doenças neurológicas e retinianas. O exame é realizado em frente ao campímetro, o qual apresenta uma cúpula onde estímulos luminosos de diferentes intensidades são apresentados ao paciente, que deve apertar um botão toda vez em que a percepção de luz for identificada.  

 

      

RETINOGRAFIA DIGITAL

A Retinografia Digital é a fotografia do fundo do olho, para registrar as alterações observadas no exame oftalmoscópico feito no consultório, também para observar os efeitos dos tratamentos realizados, e comparar com as imagens obtidas nos exames anteriores. 
O exame é realizado após a dilatação das pupilas com colírios, sem a injeção de corantes, portanto, não tem contra-indicações ou complicações. As imagens então são obtidas, o exame é rápido e dura em torno de 5 minutos.

 

  

  

PAPILOGRAFIA

É uma fotografia do nervo óptico que tem por objetivo documentar suas alterações, servindo tanto para auxiliar no diagnóstico como no acompanhamento do glaucoma. O dado mais importante a ser avaliado é a camada de fibras nervosas( ou rima neuroretiniana). Quando há perda da rima, ocorre o que chamamos de escavação glaucomatosa. Através de exames seriados, conseguimos acompanhar a evolução da escavação. Escavações maiores que o normal ou com assimetria entre os olhos podem sugerir glaucoma.

 

  

 

PAQUIMETRIA CORNEANA

Exame que mede a espessura corneana. Fundamental na avaliação de pacientes suspeitos ou com glaucoma. A  espessura corneana é importante porque a medida da pressão ocular encontrada através da tonometria de aplanação depende fundamentalmente deste exame, já que córneas mais espessas ou mais finas podem superestimar ou subestimar as medidas pressóricas encontradas, o que deve ser considerado na aferição da pressão ocular do paciente.

 

  

 

OCT (TOMOGRAFIA DE COERÊNCIA ÓPTICA)

A tomografia de coerência óptica (OCT) é uma tecnologia de imagem comumente usada para a avaliação de dano estrutural no glaucoma. É muito útil para se avaliar a espessura de fibras nervosas da retina, espessura da região macular e da camada de células ganglionares da mácula, estruturas estas que são afetadas pelo glaucoma.  Auxilia em diferenciar olhos normais de olhos com glaucoma e também no acompanhamento da progressão do glaucoma já estabelecido, através de um programa de análise de progressão. Fornece aquisição de imagens em 3D de alta resolução. Além disso, os OCTs mais modernos permitem a avaliação não invasiva de detalhes microscópicos do segmento anterior do globo ocular (OCT de segmento anterior ), especialmente útil para se avaliar anatomicamente o ângulo da câmara anterior, que é a região de drenagem primária do olho.

 

   

FDT MATRIX (perimetria de frequência dupla)

Moderno exame utilizado para detecção de glaucoma precoce. A perimetria de frequência dupla é baseada na ilusão de dupla frequência. Com este exame, ocorre estímulo de um subtipo de células ganglionares da retina, que se projetam para as vias ópticas magnocelulares, que são sensíveis aos estímulos de movimento e ao contraste, que parecem ser mais sensíveis ao dano glaucomatoso. Fornece uma taxa de detecção maior para glaucoma inicial do que a permimetria automatizada padrão.

 

    

TRABECULOPLASTIA

SolutionEste tipo de terapia a laser tem sido cada vez mais utilizada para o tratamento do glaucoma. Diferentemente da trabeculoplastia a laser mais antiga (com laser argônio), que causava lesão coagulativa na malha trabecular (região de drenagem primária do olho), este novo laser atua seletivamente nas células pigmentadas da malha trabecular, sem causar dano aos tecidos adjacentes. Com este tratamento, se consegue diminuir a pressão ocular através do aumento da drenagem do humor aquoso através da malha trabecular (região de drenagem primária do olho ).

Diversos estudos têm demonstrado que a trabeculoplastia seletiva a laser tem sido cada vez mais utilizada como terapia inicial, adjunta ou em substituição a medicações anti-glaucomatosas, principalmente em pacientes com hipertensão ocular e glaucoma primário de ângulo aberto. Tem sido eficaz também em alguns casos de glaucoma primário de ângulo fechado, glaucoma de pressão normal e mesmo em glaucomas pós-uveíte, desde que clinicamente controlados.

Recentemente, provou ser um tratamento primário efetivo, com mínimos efeitos colaterais e complicações. Como a duração do pulso do laser é curta, os tecidos adjacentes não absorvem a energia do laser, e o dano por calor é minimizado, permitindo que o procedimento seja repetido, se for necessário. Na maioria dos casos, o tratamento é realizado em 360° da malha trabecular. Uma nova aplicação deste tipo de laser pode ser realizada quando um tratamento inicial foi bem sucedido e seu efeito diminuiu com o passar do tempo.

Tendo em vista que as medicações carregam um potencial de efeitos adversos, tanto locais quanto sistêmicos, e devem ser usadas por toda a vida, e a cirurgia anti-glaucomatosa, que embora eficaz, tem riscos e potencial de falha, a trabeculoplastia seletiva a laser oferece um potencial de vários anos sem necessidade do uso de medicações, assim como evita a não fidelidade do paciente ao tratamento. Outra indicação deste procedimento se refere à ocorrência de glaucoma em mulheres grávidas, quando a maioria das medicações anti-glaucomatosas está contra-indicada, podendo ser realizada em qualquer trimentre da gestação. Sendo assim, pode ser considerada como opção de tratamento nestes casos para reduzir ou mesmo eliminar o uso de medicações.

Em casos de pacientes que se submeteram a cirurgia de glaucoma e que, mesmo após a cirurgia, continuam sem o controle adequado do seu glaucoma, a trabeculoplastia seletiva a laser demonstrou ser eficaz.

MICROSCOPIA ESPECULAR DA CÓRNEA

A microscopia especular da córnea um exame é indolor que fotografa as células da camada mais interna da córnea, permitindo a análise quantitativa e qualitativa das células presentes (quantidade, formato e tamanho).

É utilizada em pré-operatório de cirurgias intraoculares, tais como a cirurgia de catarata, glaucoma e transplante de córnea, assim como nas doenças propriamente ditas da córnea.
A grande importância desse método está no fato de ele permitir uma avaliação do possível comportamento da córnea perante uma agressão cirúrgica.

 

  

TOPOGRAFIA DE CÓRNEA

A Topografia de Córnea, também conhecida como Topografia Corneana; Ceratoscopia Computadorizada; Ceratometria Computadorizada; Ceratometria Computadorizada de Córnea, consiste na avaliação da curvatura anterior da córnea através do reflexo digitalizado de anéis concêntricos luminosos (anéis de Plácido). É indicado nos casos de suspeita de alteração da curvatura anterior da córnea, no diagnóstico e acompanhamento de usuários de lente de contato, ceratocone, pré e pós-operatório de cirurgia de transplante de córnea, catarata e cirurgia refrativa. 

A Topografia de Córnea tem a função de realizar o mapeamento topográfico através de projeções de anéis luminosos na córnea, o exame fornece as informações do mapa corneano em 3D, Análise Fourier e Avaliação de software especifico para detecção precoce de alterações. O Exame de Topografia Corneana é um excelente instrumento para confirmar o diagnóstico de ceratocone, na avaliação de pacientes candidatos a laser, ou ainda, em implantes de lentes intraoculares, mesmo quando os sinais característicos ainda não são observados. A localização do ápice e a progressão da doença podem ser visualizadas quando se analisam os mapas coloridos.
É um exame não invasivo, não sendo necessário dilatar a pupila nem usar anestésicos.

 

 

ECOBIOMETRIA

É o mais avançado exame para se calcular o grau das lentes para implante em cirurgia de catarata. Mede com precisão a profundidade da câmara anterior e a ceratometria. Calcula o tamanho axial do globo ocular e lentes para implante em cirurgia de catarata e cirurgia refrativa (lentes de câmara anterior).
Indicado para pacientes com catarata que farão implante de lente intra-ocular mononofocal, multifocal ou tórica; olhos preenchidos por óleo de silicone; pacientes com altas miopias e hipermetropias; pré-operatório de transplante de córnea; doenças da retina; implantes secundários de lente intra-ocular (LIO) em pacientes que já operaram de catarata e não colocaram LIO.

  

Conheça os hábitos que podem agravar o glaucoma